ANDORINHA E TUIM: UM DIÁLOGO ENTRE LUIZ VILELA E RUBEM BRAGA

Eunice Prudenciano de Souza (UFMS), Rauer Ribeiro Rodrigues (UFMS), Luciene Lemos de Campos (UFMS)

Resumo


O propósito deste estudo é fazer uma leitura comparativa entre a crônica “História triste de tuim” (1958), de Rubem Braga, e o conto “Andorinha” (1968), de Luiz Vilela. A nosso ver, a crônica de Rubem Braga e o conto de Luiz Vilela, além de dialogarem quanto à presença de pássaros pequenos e revelarem a atmosfera de costumes do universo pequeno burguês, também funcionam como filtro potente, a partir do qual os narradores, de ambas as narrativas, e cada um a seu modo, apontam para a profundidade que se oculta na hipocrisia inerente a um convívio social órfão de humanidade. Nessas narrativas, os animais, a andorinha e o tuim, parecem evidenciar algo mais que uma marca lírica, visto que é na alteridade com o animal que as personagens entendem melhor a si mesmas e ao outro, amadurecendo em sua humanidade. Ainda que sejam considerados gêneros literários diferentes, há similaridades e até uma possível complementaridade: o retratado na crônica de Rubem Braga encontra eco no conto de Luiz Vilela.

Referências


___________. Histórias de bichos. São Paulo: Editora do Brasil, 2002.

BRAGA, Rubem. 200 crônicas escolhidas — 10ª ed. — Rio de Janeiro: Record, 1996. 320 p.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: Nacional, 1985. 193 p.

CORTÁZAR, Julio. Obra crítica, vol. 2. Trad. Paulina Wacht e Ari Roitman. Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 1999. 368 p.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. Trad. Lúcia Helena França Ferraz. São Paulo:

Perspectiva, 1974.

MORAES, Vinicius de. Para viver um grande amor. 16. ed. Rio de Janeiro, J. Olympio, 1982.

p.

NEJAR, Carlos. História da literatura brasileira: da Carta de Caminha aos contemporâneos. São

Paulo: Leya, 2011. 1104 p.: il.

PIGLIA, Ricardo. Formas breves. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Companhia

das Letras, 2004.

REUTER, Yves. A análise da narrativa: o texto, a ficção e a narrativa. Trad. Mário Pontes. Rio de

Janeiro: DIFEL, 2002.

RODRIGUES, Rauer Ribeiro; CAMPOS L. L.. . NÁUSEA E MÁ-FÉ EM RUBEM BRAGA E LUIZ VILELA.

In: Luiz Carlos Santos Simon; Maria Carolina de Godoy; Sonia Aparecida Vido Pascolati. (Org.).

Náusea e Má-fé em Rubem Braga e Luiz Vilela. 1ed. Londrina- PR: Universidade Estadual de

Londrina, 2013, v. único, p. 291-302.

RODRIGUES, Rauer Ribeiro; PEREIRA, Rodrigo Andrade. Em contos confessionais de enredo,

Luiz Vilela constrói um Romance de Formação. ESTUDOS LINGUÍSTICOS, São Paulo, 38 (3): 411-

, set.-dez. 2009.

ROSENFELD, Anatol. A personagem de Ficção. São Paulo: Perspectiva, 2002.

SÁ, Jorge. A crônica. 2. ed. São Paulo, SP: Ática, 1985. 94 p.

SIMON, Luiz Carlos. Duas ou três páginas despretensiosas: a crônica, de Rubem Braga e outros

cronistas: EDUEL, 2011. 304 p.

TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo:

Perspectiva, 2013. 202 p.

VILELA, Luiz. No bar. Rio de Janeiro. Bloch Editôres S.A, 1968. 176 p.


Texto completo: PDF

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo:




Outros Indexadores e Bancos de Dados:


Library of Congress

Sudoc - Système Universitaire de Documentation

Copac – United Kingdom

Bielefeld Academic Search Engine

CRUE / REBIUN - Catálogo de la Red de Bibliotecas Universitarias

 

Google Analytics UA-142181466-1

Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli está avaliada no extrato B2, no QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016, na área de LETRAS/LINGUÍSTICA.