A ABORDAGEM CONSTRUCIONAL NOS ESTUDOS DA MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS: O MODELO BOOIJIANO EM TERRAS BRASÍLICAS

João Carlos Tavares da Silva (UFRJ)

Resumo


O presente texto tem por objetivo apresentar panoramicamente o modelo conhecido como Morfologia construcional (MC) e sua aplicação à análise de dados do português, sobretudo no que tange à análise de dados históricos. Este artigo está, pois, dividido em três partes. Na primeira parte, faço uma apresentação das principais premissas da MC e suas formalizações, apresentando também como o modelo tem se desdobrado no Brasil com vários trabalhos já feitos à sua luz. A segunda parte destina-se ao debate sobre o tratamento de dados históricos na MC. Por fim, elenco e discuto alguns desafios que ainda precisam ser superados pelo modelo.


Referências


ALVES, R. S.; GONÇALVES, C. A. V. O processo de formação de palavras com afixo aumentativo -ão: uma análise cognitivista. Revista Philologus, Ano 20, N° 60 Supl. 1: Anais da IX JNLFLP. Rio de Janeiro: CiFEFiL. 2014.

ANDRADE, K. E.; RONDININI, R. As “ianes” do porão: análise morfo-pragmática das atuais construções X-iane. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 20, n. 38, p. 121-147, 1º sem. 2016.

ARONOFF, M. Word formation in generative grammar. Linguistic Inquiry. Monography I. Cambridge: Mass/ Mit Press. 1976.

ASSUMPÇÃO Jr., A. P. de. Dinâmica léxica portuguesa. Rio de Janeiro: Presença, 1986.

BOOIJ, G. Compounding and derivation: evidence for construction Morphology. In: DRESSLER, W. et al. (eds.). Morphology and its demarcations. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2005.

________ Construction Morphology and the Lexicon. In: MONTERMINI, F.; BOYÉ, G.; HATHOUT, N. (eds.). Selected proceedings of the 5th Décembrettes: Morphology in Toulouse. Somerville: Cascadilla Press, 2007.

________ Construction Morphology. Oxford: Oxford University Press, 2010.

________ Morphology in Construction Grammar. In: HOFFMAN, T.; TROUSDALE, G. (orgs.). The Oxford Handbook of Construction Grammar. Oxford: Oxford University Press, 2013.

________ Construction Morphology. In: HIPPISLEY, A.; STUMP, G. T. (eds.). The Cambridge Handbook of Morphology. Cambridge. Cambridge University Press, 2016.

CUNHA, A. G. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro. Lexikon, 1982.

FARIA, A. L. Motivações morfossemânticas das construções compostas N-N do português brasileiro. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas). Rio de Janeiro: UFRJ, 2011.

FILLMORE, C. J. Frame semantics. Linguistics in the morning calm, ed. The Linguistic Society of Korea, Seoul: Hanshin. 1982.

GOLDBERG, A. E. Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago; London: The University of Chicago Press, 1995.

GOLDBERG, A. E.; JACKENDOFF, R. The English resultative as a family of constructions. Language, Cambridge, v.80, n.1, p.532–569, 2004.

GONÇALVES, C. A. Atuais tendências em formação de palavras. São Paulo. Contexto. 2016.

__________________.; ALMEIDA, M. L. L. Morfologia construcional: principais ideias, aplicação ao português e extensões necessárias, Alfa, São Paulo, 58 (1). 2014.

GONCALVES, C. A.; PIRES, J. A. O. Morfologia construcional aplicada à mudança morfológica: da composição à derivação. In: GONÇALVES, C. A. (Org.). Morfologia Construcional: uma introdução. 1ed. Rio de Janeiro: Editora Contexto, 2016.

GONÇALVES, C. A.; OLIVEIRA. P. A. de. Morfologia Construcional aplicada à Recomposição. In: GONÇALVES, C. A. (Org.). Morfologia Construcional: uma introdução. 1ed. Rio de Janeiro: Editora Contexto, 2016.

__________________.; CARVALHO, W. B. Morfologia Construcional aplicada à flexão. In: GONÇALVES, C. A. (Org.). Morfologia Construcional: uma introdução. 1ed. Rio de Janeiro: Editora Contexto, 2016.

_________________.; VIALLI, L. A. D. Morfologia Construcional aplicada à composição reduplicativa. In: GONÇALVES, C. A. (Org.). Morfologia Construcional: uma introdução. 1ed. Rio de Janeiro: Editora Contexto, 2016.

__________________.; VIALLI, L. A. D. Abordagem construcional da reduplicação de base verbal em português. Acta Semiótica et Linguística. João Pessoa, 22 (1), 2017.

HOUAISS. Dicionário Digital da Língua Portuguesa. versão 1.0. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

LEE, S.-H. Morfologia e Fonologia Lexical do Português do Brasil. Tese (Doutorado em Ciências). Campinas: UNICAMP, 1995.

PIRES, J. A. O. Uma abordagem construcional dos splinters não nativos no português do Brasil. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas). Rio de Janeiro: UFRJ, 2018.

PISANI, V. Linguistica generale e indeuropea. Torino: Rosemberg & Sellier, 1967.

RALLI, A. Compounding versus derivation. In: SCALISE, S.; VOGEL, I. (eds.) The Benjamins Handbook of Compounding. Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2010.

ROSITO de OLIVEIRA, A. C. As formações X-nejo no português do Brasil: uma análise construcional. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas). Rio de Janeiro: UFRJ, 2017.

SIMÕES NETO, N. A. Um enfoque construcional sobre as formas X-eir-: da origem latina ao português arcaico. 2016. 655 p. 2 tomos. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

___________________; Morfologia Construcional e alguns desafios para a análise de dados históricos da língua portuguesa. DOMÍNIOS DE LINGU@GEM, v. 11, p. 468-501, 2017a.

___________________; Uma aplicação da morfologia construcional para a língua latina: o caso das construções x-ariu. LINGUISTICA Y LITERATURA, v. 38, p. 30-53, 2017b.

___________________; Compostos com síndrome e complexo no português brasileiro: uma abordagem construcional. Fórum Linguístico, v. 15, p. 3373-3394, 2018.

___________________; SOLEDADE, J. Um enfoque da Morfologia Construcional sobre as construções X-ário no português arcaico. PONTOS DE INTERROGAÇÃO (ONLINE), v. 5, p. 143-171, 2015.

___________________; SOLEDADE, J. Nomes masculinos X-son na antroponímia brasileira: uma abordagem morfológica, histórica e construcional. Revista de Estudos da Linguagem, v. 26, n. 3, p. 1295-1350, 2018.

SOARES da SILVA, A. O mundo dos sentidos em português: polissemia, semântica e cognição. Coimbra: Almedina, 2006.

SOLEDADE, J. Experimentando esquemas: um olhar sobre a polissemia das formações [[X–EIR]N] no português arcaico. Revista Diadorim / Revista de Estudos Linguísticos e Literários do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, número especial, 2013.

____________. Por uma abordagem cognitiva da morfologia: revisando a morfologia construcional. In: ALMEIDA, A. D.; SANTOS, E. S. (Orgs.). Linguística Cognitiva: redes de conhecimento d’aquém e d’além-mar. Salvador, EDUFBA. 2018.

TAVARES DA SILVA, J. C. O estatuto morfológico do formativo eletro- em português. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas). Rio de Janeiro: UFRJ, 2013.

______________________. Esquemas de imagem na formação de denominais em português: o caso de -eiro e -ário. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas). Rio de Janeiro: UFRJ, 2017.

TOMASELLO, M. Do young children have adult syntatic competence? , Cognition 74. 2000.

VIALLI, L. A. D. Reduplicação de base verbal: uma análise pela morfologia construcional. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas). Rio de Janeiro: UFRJ, 2013.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo:



 

Outros Indexadores e Bancos de Dados:


Library of Congress

Sudoc - Système Universitaire de Documentation

Copac – United Kingdom

Bielefeld Academic Search Engine

CRUE / REBIUN - Catálogo de la Red de Bibliotecas Universitarias

 

Google Analytics UA-142181466-1

Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli está avaliada no extrato B2, no QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016, na área de LETRAS/LINGUÍSTICA.