O personagem malandro no conto “O homem que sabia javanês”, de Lima Barreto

Victória Nantes Marinho Adorno, Altamir Botoso

Resumo


O personagem malandro na Literatura Brasileira tem uma grande importância, pois sua imagem representa uma crítica a uma sociedade regida por contradições, revelando problemas sociais e desvelando tais contradições em seus atos. O objetivo dessa pesquisa é analisar a representação do personagem malando no conto “O homem que sabia Javanês”, de Lima Barreto. Nesse conto, o malandro surge como um personagem gracioso, conduzido pelas oportunidades apresentadas e que aproveita as comodidades de seus atos ilícitos, conseguindo enganar grande parte da alta sociedade carioca da época. A narrativa ironiza o modelo de ascensão social, padrão de nobreza e saber por meio de influências culturais de línguas estrangeiras, a necessidade de enganar para ter uma condição de vida melhor e a despreocupação em continuar com o ato da malandragem sem ser descoberto. Como suporte teórico, utilizaremos os estudos de Candido (1970), DaMatta (1997), Goto (1988), Dealtry (2009), Galvão (1976), Schwarz (1987), dentre outros. Efetuadas as análises, comprovamos que o personagem central do conto é um malandro que, no percurso da narrativa, aproveita as oportunidades que surgem para conquistar prestígio, dinheiro e uma posição destacada dentro da sociedade e pode ser considerado como uma figura que faz parte da galeria de malandros que povoam a literatura brasileira.


Referências


ARBOLEYA, Valdinei José. O homem cordial e a formação do povo brasileiro: um estudo das obras Memórias de um sargento de milícias, O homem que sabia javanês e Macunaíma. Revista de Literatura, História e Memória, Unioeste, Campus de Cascavel, v. 13, n. 21, 2017, p. 233-248.

BARBOSA, Francisco de Assis. A vida de Lima Barreto (1881-1922). 9. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 2003.

BARRETO, Afonso Henriques de Lima. Diário Íntimo. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1961.

_____. Lima Barreto: obras reunidas. 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018a, v. 1.

_____. Lima Barreto: obras reunidas. 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018b, v. 2.

_____. O homem que sabia javanês. In: _____. O homem que sabia javanês e outros contos. 1. ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2012.

BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 40. ed. São Paulo: Cultrix, 2002.

CANDIDO, Antonio. Dialética da malandragem (Caracterização das ‘Memórias de um sargento de milícias’). Revista do instituto de estudos Brasileiros, n. 8. Universidade de São Paulo, 1970, p. 67-89.

CRISTINO, Leandro Nascimento. A malandragem como emblema nacional. Soletras, ano IX, n. 17 – Supl. São Gonçalo: UERJ, 2009, p. 39-51.

CUNHA, João Figueiredo Alves Da. Entre melindres e espertezas: personagens malandras, nos contos de Lima Barreto e José da Silva Coelho. Tese (Doutorado em Letras), Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo – FFLCH-USP, São Paulo, 2016.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis. 6. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DEALTRY, Giovanna Ferreira. No fio da navalha: malandragem na literatura e no samba. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2009.

FREIRE, Zélia. R. N. S. Lima Barreto: Imagem e Linguagem. 1. ed. São Paulo: Annablume, 2005.

GALVÃO, Walnice Nogueira. No tempo do rei. In: GALVÃO, Walnice Nogueira. Saco de gatos: ensaios críticos. São Paulo: Duas Cidades/Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1976, p.27-33.

GOTO, Roberto. Malandragem Revisada. Campinas-SP: Pontes, 1988.

MISSE, Michel. Malandros, Marginais e Vagabundos & a acumulação social da violência no Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Sociologia). Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro – IUPERJ. Rio de Janeiro, 1999.

ROCHA, João Cézar de Castro. A guerra de relatos no Brasil contemporâneo. Ou: a “dialética da marginalidade”. Letras - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, n. 32, jun. 2006, p. 23-70.

ROCHA, Gilmar. “Navalha não corta seda”: Estética e Performance no Vestuário do Malandro. Tempo, v. 10, n. 20, jan. 2005, p. 121-142.

_____. “Eis o malandro na praça outra vez”: a fundação da discursividade malandra no Brasil dos anos 70. Scripta, Belo Horizonte, v. 10, n. 19, p. 108-121, 2° sem. 2006.

SCHWARZ, Roberto. Que horas são? Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: