Linguagem e interação social: experiências didáticas com interlocutores reais

Gisele de Freitas Paula Oliveira, Juliane Nogueira de Sá, Yves Figueiredo de Oliveira

Resumo


Compreender a interação verbal como dialogia implica assumir que, ao interagir por meio da linguagem, o sujeito sempre tem um outro ao qual se direciona e leva em consideração no seu projeto de dizer (Bakhtin, 2003[1952-53]). A presença desse outro, portanto, é constitutiva das formas e usos da linguagem. Ocorre que em ambiente escolar, ajustando a lupa para as produções de textos escritos na escola regular, muitas vezes a presença de um outro ao qual os textos dos estudantes supostamente se dirigem, não passa de uma abstração. A partir dessa questão, desenvolvemos uma pesquisa-ação integral sistêmica em duas escolas públicas do Espírito Santo com o objetivo de fazer com que as produções de textos dos alunos se constituam em uma interação verbal real, com um interlocutor que realmente interaja com os textos. Assim, descrevemos o desenvolvimento de duas experiências didáticas que envolveram os gêneros discursivos “carta pessoal” e “carta argumentativa” no Ensino Fundamental e no Ensino Médio, respectivamente, tendo como objetivo o encaminhamento das produções a interlocutores reais. Dessa perspectiva, constatou-se com o trabalho com os referidos gêneros nas aulas de Língua Portuguesa um significativo interesse dos alunos em relação à produção textual, assim como uma melhora sensível na qualidade dos textos produzidos.


Referências


ANDRADE, M. L. C. V.O. Interatividade na correspondência publicada em jornais paulistas. Revista Forma y Función. 2010, v. 23, n. 2, p. 73-95. Disponível em: Acesso em: 27 set. 2015.

BAKHTIN, M. (VOLOSHINOV, V. N.). Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Editora Hucitec, 1999[1929].

______. Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003[1952-53]. Tradução: Paulo Bezerra. Coleção Biblioteca Universal. p. 261-306.

CRUZ. M.C. A produção textual no nível médio. 2005. 97f. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Maringá. Maringá, 2005.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Secretaria da Educação. Ensino médio: área de Linguagens e Códigos / Secretaria da Educação. – Vitória: SEDU, 2009. 132 p. (Currículo Básico Escola Estadual; v. 01)

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. Curitiba/PR: Criar Edições, 2006[2003].

KOCH, I. G. V. Introdução à Linguística textual: trajetória e grandes temas. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

KÖCHE, Vanilda Salton et al. Leitura e produção textual: gêneros textuais do argumentar e expor. Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

LOUKILI, K.L. C. Ainda faz sentido escrever cartas? Uma experiência com o ensino de gêneros na educação de jovens e adultos. 2009. 124 F. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2009.

MORIN, A. Pesquisa ação-integral e sistêmica: uma antropopedagogia renovada. Trad.: M. Thiollent. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

MARCUSCHI, L. A.. Anáfora indireta: o barco textual e suas âncoras. In: KOCH, Ingedore Villaça; MORATO, Edwiges Maria; BENTES, Ana Cristina. (orgs.). Referenciação e discurso. São Paulo: Contexto, 2005.

SÁ, J. N. Prática de leitura, produção de textos e análise linguística em aulas de língua portuguesa: possibilidades didáticas a partir do trabalho com o gênero carta do leitor. 2016. 120 F. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, 2016.

SEBASTIÃO, I. C. S. Interactividade entre práticas e aprendizagens de estruturas discursivo-textuais no ensino básico – o discurso epistolar. 2012. 410 F. Tese de doutorado. Universidade Nova de Lisboa. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Lisboa, 2012.

TINOCO, G. A. Pluralidade cultural, projeto de letramento, formação docente: ressignificações possíveis. In: VÓVIO, C.; SITO, L.; DE GRANDE, P. Letramentos: rupturas, deslocamentos e repercussões em pesquisas em Linguística Aplicada. Campinas/SP: Mercado de Letras, 2010. p. 285-306.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: