HÁBITO DE FUMAR ENTRE OS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE (PETROLINA-PE)

Ana Maria Parente Garcia Alencar, Cicera Pricila Fernandes Dantas, Marta Maria Coelho Damasceno

Resumo


Trata-se de um estudo descritivo-exploratório, com abordagem quantitativa, visando conhecer o hábito do tabagismo entre os portadores de hipertensão arterial sistêmica. A amostra se constituiu de 20 hipertensos-tabagistas pertencentes à área adscrita à Unidade de Saúde do Rio Corrente, lócus do estudo até maio de 2009. Os dados foram coletados através de um formulário e analisados por meio da estatística descritiva. Contatou-se que 11(55%) são do sexo masculino; 10(50%) possuem mais de 50 anos; 10(50%) apresentam escolaridade inferior ao ensino fundamental; 9(45%) são aposentados; 15(75%) sobrevivem com cerca de 1 a 2 salários mínimos; 16(80%) apresentam 3 a 5 membros em sua família; 10(50%) sabem ser hipertensos entre 6 – 10 anos; 8(40%) fumam há mais de 15 anos; 12(60%) apontam o câncer de pulmão como um dos males do tabaco; 8(40%) esperam mais de 60 min. para fumar o 1º cigarro do dia; 15(75%) conseguem permanecer sem fumar em lugares proibidos e o mesmo percentual refere ser o cigarro da manhã o mais importante do dia; 7(35%) fumam de 5 a 10 cigarros por dia, 11(55%) relatam que as primeiras horas do dia são os horários em que mais fumam; 16(80%) relatam não fumar enquanto acamado; 16(80%) já tentaram parar de fumar, 6(30%) destes tentaram 2 vezes e 9(45%) relata a ansiedade como a responsável pelo insucesso do abandono do tabagismo. Os resultados mostram a importância de conhecer o hábito do tabagismo a fim de traçar estratégias de combate ao fumo e aos seus malefícios.

Palavras-chave


hipertensão arterial sistêmica; tabagismo; saúde da família

Texto completo: PDF


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .