A Incomensurabilidade em Thomas Kuhn e a Impossibilidade de Aplicação a Estruturas de Estilos Artísticos

Mirian Martins Finger

Resumo


A intenção deste artigo é confrontar alguns juízos teóricos relativos à ciência e a arte abordando a impossibilidade de aplicação da noção de incomensurabilidade sobre a estrutura de conceitos artísticos. Para isso, será utilizada a teoria das revoluções científicas de Thomas Kuhn (1998-2006). Para este filósofo, a ciência apresenta uma estrutura e dentro dela há incomensurabilidade entre as teorias. Visto que o debate entre ciência e arte tem sido muito profícuo, atentar-se-á ao contraste entre quatro estilos artísticos para elucidar como esta teoria não é aplicável ao universo da arte. Inicialmente, a teoria de Kuhn terá uma breve exposição orientando o leitor sobre o conceito de incomensurabilidade. Ajustados a esta análise, serão acercadas quatro obras pictóricas, dos estilos Renascimento, Barroco, Romantismo e Realismo. Além de Kuhn, outros autores darão aporte ao que se pretende, tais como Nelson Goodman (1978) e Henrich Wölfflin (1989).


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.