CONSIDERAÇÕES SOBRE A FORMA TRÁGICA NA TRAGÉDIA E NO ROMANCE: ANTÍGONA E FOGO MORTO COMO A REPRESENTAÇÃO DO CONFLITO INDIVIDUAL E SOCIAL

Bárbara Del Rio Araújo (CEFET-MG/UFMG)

Resumo


Este artigo pretende, a partir da interpretação hegeliana da tragédia Antígona, discutir como o elemento trágico pode ser revelador do traço individual e social, naquilo que diz respeito à formação histórica. Na leitura de Hegel, a peça de Sófocles cria um conflito entre a ordem familiar e a esfera pública. A tensão entre a natureza subjetiva e o lastro cultural constrói o trágico, que, para além da tragédia, é apresentado como um modus reflexivo a compor outros gêneros literários, como, por exemplo, a forma romanesca.  No romance, o conflito trágico pode levar a discussão entre o desejo individual e os limites impostos pela sociedade, encerrando uma esfera-paradoxo, na qual princípios e valores excludentes estão simultaneamente presentes. Especificamente em Fogo morto, o trágico configura a fatura do texto, sendo representativo dos destinos das figuras assim como do próprio sistema nacional, marcado por um processo de progresso conservador. Essa comunicação sobre a forma trágica busca afirmar como o teatro e seus elementos tem relação com a cultura a ponto, até mesmo, de influir em outros gêneros literários, tornando-os, ao mesmo tempo, específicos e pertencentes a uma universalidade. A partir da discussão teórica - implementada por Peter Szondi, Raymond Williams e Terry Eagleton - é possível entender que tanto Antígona quanto Fogo Morto revela concepções de trágico comuns à cultura que pertencem, demonstrando que a arte é uma manifestação do mundo sensível, relegando, assim, a possibilidade de ser um mero produto de regras e imitações.


Referências


ARISTÓTELES. Poética. Trad., prefácio, comentário e apêndices de Eudoro de Sousa. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1986.

AUERBACH, E. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. 5.ed. Tradução coletiva para a língua portuguesa. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BAKTHIN, M. Questões de literatura e de estética. 4 ed. Trad. Aurora Fornoni Bernardini et al. São Paulo: Hucitec, 1998.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4. ed. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BENJAMIN, W. A modernidade e os modernos. Trad. HeindrunKrieger Mendes da Silva ET al. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

BRANDÃO, J. L. A invenção do romance. Brasília: Unb, 2005.

EAGLETON, T. Doce Violência: a ideia do trágico. Trad. Alzira Allegro. São Paulo: Ed. Unesp, 2013.

HAUSER, A. História social da arte e da literatura. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

HEGEL, G.W.F. Estética. Trad. Orlando Vitorino. Lisboa: Guimarães Editores, 1993.

HEGEL, G.W.F. Fenomenologia del espiritu. Edición bilingüe de Antonio Gómez Ramos. Madrid: Grafica Abad, 1985.

HORÁCIO. Arte poética (Epistula ad Pisones). In A poética clássica. Trad. Jaime Bruna. São Paulo: Cultrix, 1985.

LESKY, A. A tragédia grega. 3 ed. Trad. J. Guinsburg ET al. São Paulo: Perspectiva, 1996.

LOWY, M. Romantismo e messianismo: ensaios sobre Lukacs e Walter Benjamin. Trad. Myriam Vera Baptista & Magdalena Pizante Baptista. São Paulo: Perspectiva, 2008.

LUKÁCS, G. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Trad. Jose Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000.

REGO, J. L. Fogo Morto. 12ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1972.

ROSENFELD, A. O teatro épico. 4 ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.

ROSENFELD, A. Prismas do teatro. São Paulo: Perspectiva, 2000.

STAIGER, E. Conceitos fundamentais de poética. Trad. Rosa Carino Louro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro,1975

SZONDI, P. Ensaio sobre o trágico. Trad. Pedro Sussekind. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

TRIGO, L. Engenho e Memória: o nordeste do açúcar na ficção de José Lins do Rego. Rio de Janeiro: Topbooks, 2002.

WILLIAMS, R. Tragédia moderna. Trad. Regina Bischof. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo:



 

Outros Indexadores e Bancos de Dados:


Library of Congress

Sudoc - Système Universitaire de Documentation

Copac – United Kingdom

Bielefeld Academic Search Engine

CRUE / REBIUN - Catálogo de la Red de Bibliotecas Universitarias

 

Google Analytics UA-142181466-1

Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli está avaliada no extrato B2, no QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016, na área de LETRAS/LINGUÍSTICA.