VIAGEM E ESCRITA: A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE EM A CHAVE DE CASA

Ludovico Omar Bernardi (UEM)

Resumo


Este artigo tem por foco o romance de Tatiana Salem Levy, A chave de casa (2007), cujo enredo é construído mais de sugestões do que de fatos, com vistas a privilegiar a memória que brota de uma construção fragmentada. Nele, o que me proponho a analisar é a viagem e a escrita como reconstrução da narradora-protagonista, já que ambas se conjugam para atingir a um fim determinado, resultando, pois, em dois processos de construção da identidade da personagem, já que a “chave”, enquanto forma de acesso a um interior, não se confunde com a “escrita”, com o “dar nome às coisas” e com a “viagem”, tornando-se estas metáforas de um exercício interior de descoberta, de formação de uma possibilidade. Afinal, o que importa ao caminheiro é o caminho e não o ponto-final.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo:



 

Outros Indexadores e Bancos de Dados:

Library of Congress

 

Sudoc - Système Universitaire de Documentation

 

Copac – United Kingdom

 

Bielefeld Academic Search Engine

 

CRUE / REBIUN - Catálogo de la Red de Bibliotecas Universitarias

 

Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli está avaliada no extrato B2, no QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016, na área de LETRAS/LINGUÍSTICA.