CONTRIBUIÇÕES DA LINGUÍSTICA HISTÓRICA AOS ESTUDOS TOPONÍMICOS BRASILEIROS

Cezar Alexandre Neri Santos (UFAL)

Resumo


Neste texto, discutimos aspectos que relacionam os nomes de lugares, como objeto de pesquisa do quadro da ciência linguística, a elementos histórico-linguísticos, apresentando um debate acerca das contribuições teórico-metodológicas da Linguística Histórica aos estudos toponímicos brasileiros. Inicialmente, apresentamos um histórico de pesquisas e de abordagens toponímicas, como demonstração de uma relação umbilical e ainda produtiva entre as áreas, e destacamos que investigações numa perspectiva histórico-cultural, embasadas, dentre outros, em postulados da Filologia e da Linguística Histórica, permitem descortinar aspectos intralinguísticos e sócio-históricos, visto que tais nomes podem ser tomados como dados linguísticos, como evidências históricas e como objetos histórico-culturais, produtos da interação entre língua(gem), identidade e política territorial. Como exemplo prático, em prol da validação de nossa discussão teórico-metodológica, descrevemos e analisamos qualitativamente a ocorrência do radical ita – pedra, em tupi – em cinco topônimos municipais do estado de Sergipe: Itabaiana, Itabaianinha, Itabi, Itaporanga d‘Ajuda e Santa Luzia do Itanhy. A análise do conteúdo ratificou que o uso de corpora datados e localizados e a compreensão de postulados de mudança linguística são benéficos para explicar, com maior fidedignidade, quando, por quem e por quais motivações tais nomes foram cunhados.


Palavras-chave


Toponímia; Linguística Histórica; Filologia; Sergipe

Referências


APES – Arquivo Público Estadual. BAPE: Boletim do Arquivo Público Estadual. Aracaju: APES/Setor de Divulgação, ano III, nº 4, Jun. 1984, 63 p.

BALDINGER, Kurt. Semasiologia e onomasiologia. ALFA: Revista de Linguística, v. 9, 1966.

BERG, Lawrence D.; VUOLTEENAHO, Jani (Ed.). Critical toponymies: The contested politics of place naming. Ashgate Publishing, Ltd., 2009.

BUENO, Francisco da Silveira. Vocabulário Tupi-Guarani/Português. 7. ed. São Paulo: Vidalivros, 2008.

CAMBRAIA, César Nardelli. Introdução à crítica textual. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CARDOSO, Armando Levy. Toponímia Brasílica. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1961.

CARTA de Sesmaria de Antonio Luis, 1602. Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. CD 0024. Livro 2, [fol. 124(159)-125v(160v)].

CARTA de Sesmaria de Cristovan Rabello Dazevedo, 1596. Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. CD 0024. Livro 1, [fol. 31v-32v].

CARVALHINHOS, Patricia de Jesus; ANTUNES, Alessandra Martins. Toponímia brasileira. Origens históricas. XI Congresso Nacional de Linguistica e Filologia, 2007, Rio de Janeiro: Cadernos do CNLF - Livro dos Minicursos. Rio de Janeiro: Cifefil, 2007. v. XI. p. 141-158.

CARVALHO, Francisco de Assis. Entre a palavra e o chão: memória toponímica da Estrada Real. 2012. Tese (Doutorado em Semiótica e Lingüística Geral) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

CHIARADIA, Clóvis. Dicionário de palavras brasileiras de origem indígena. São Paulo, Limiar, 2008, 708p.

COATES, Richard. Names and Historical Linguistics. In: HOUGH, Carole (Ed.) The Oxford Handbook of Names and Naming. Series: Oxford handbooks in linguistics. Oxford: Oxford University Press, p. 525-539, 2016.

CONCEIÇÃO, José Carlos; GUIMARÃES, Tayronne. Itabaianinha em fatos e fotos. Aracaju: Infographics, 2017.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário Histórico das Palavras Portuguesas de Origem Tupi. São Paulo: Companhia Melhoramentos; Brasília: Universidade de Brasília, 1998.

DAUZAT, Albert. Le noms de lieux: Origine et évolution. Paris: Delagrave, 1928.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. O Sistema Onomástico: Bases Lexicais e Terminológicas, Produção e Freqüência. As Ciências do Léxico: Lexicologia Lexicografia e Terminologia. vol. I. 2. ed. Campo Grande, 2001. p. 79-90.

______. Contribuição do Léxico Indígena e Africano ao Português do Brasil. In: Congresso Internacional de Lusitanistas, 2000, Rio de Janeiro, 1999. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2018.

______. Métodos e Questões Terminológicas na Onomástica. Estudo de Caso: o Atlas Toponímico do Estado de São Paulo. Investigações (Recife), Recife, v. 9, p. 119-148, 1999.

______. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Arquivo do Estado de São Paulo, 1990a.

______. Toponímia e antroponímia do Brasil. Coletânea de Estudos. 2. ed. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas da FFLCH/USP, 1990b. 224 p.

DRUMOND, Carlos. Contribuição do Bororo à toponímia brasílica. São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros/USP, 1965, 134p.

DUBOIS, Jean et al.. Dicionário de linguística. São Paulo: Cultrix, 2006.

FERNANDES, I. Xavier. Topônimos e gentílicos. Porto: Educação Nacional, 1941, vol. 1.

FREIRE, Felisbelo. História de Sergipe. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1977 [1891].

GUARANÁ, Armindo. Glossário Etimológico dos nomes da Língua Tupi na Geografia do Estado de Sergipe. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, ano II, vol. II, n° 5, p. 297-326, 1916.

HADJÚ, Mihály. The History of Onomastics. Budapest: Osiris Kiadó, 2003.

HOUGH, Carole (Ed.) The Oxford Handbook of Names and Naming. Series: Oxford handbooks in linguistics. Oxford: Oxford University Press, 2016.

IBGE. IBGE Cidades, 2019. Disponível em: < https://biblioteca.ibge.gov.br/> Último acesso em: 13 jan. 2019.

ISQUERDO, Aparecida Negri. La recherche toponymique au Brésil: une perspective historiographique. Cahiers de lexicologie: Revue internationale de lexicologie et lexicographie, n. 101, p. 15-36, 2012.

ITABI. In: Wikipédia, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2019. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2019.

MASSINI-CAGLIARI, Gladis. O que é fazer pesquisa em Linguística Histórica?. In: GONÇALVES, Adair Vieira; GÓIS, Marcos Lúcio de Sousa (Org.). Ciências da Linguagem: o fazer científico?. Campinas: Mercado de Letras, 2012, v. 1, p. 267-292.

MATTOS e SILVA, Rosa Virgínia. Caminhos da Linguística Histórica: “ouvir o inaudível”. São Paulo: Parábola, 2008, 208p.

MATTOS E SILVA, Rosa Virginia. A tessitura do léxico de uma língua histórica. I Congresso Internacional de Estudos do Léxico. Salvador, 2011 (Conferência de Abertura). Disponível em Acesso em: 10 nov. 2018.

MENDONÇA, Renato. A influência africana no português do Brasil. Brasília: FUNAG, 2012 [1933].

MENEZES, Paulo. Toponímia Brasileira. I Simpósio Pan-Americano de Toponímia (SIPAT). Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). 03 maio 2017 (comunicação oral).

MENEZES, Wanderley. Considerações sobre a etimologia da palavra “itabaiana”. Interdisciplinar. v. 6, nº. 6. p. 155-165. Jul/Dez de 2008.

SAMPAIO, Theodoro. O Tupi na Geographia Nacional. Memoria lida no Instituto Historico e Geographico de S. Paulo. São Paulo: Typ. da Casa Eclectica. Disponível em: .

SANTOS, Cezar Alexandre Neri. De Cirigype a Sergipe Del Rey: os topônimos nas cartas de sesmarias (1594-1623) / Orientadora: Lêda Pires Corrêa. São Cristóvão, 2012. 191 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Sergipe, 2012.

______. A toponímia em Sergipe: descrição e análise / Orientadora: Orientadora: Silvana Soares Costa Ribeiro. Coorientadora: Célia Marques Telles. Salvador, 2019. 351 f. Tese (Doutorado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, 2019.

TAYLOR, Simon. Methodologies in place-name Research. In: HOUGH, Carole (Ed.) The Oxford Handbook of Names and Naming. Series: Oxford handbooks in linguistics. Oxford: Oxford University Press, p. 69-86, 2016.

TENT, Jan. Approaches to Research in Toponymy. Names. 63:2, 65-74.

VICENTE, Flávia Daianna Calcabrine. Além e aquém de Sergipe do Conde e Tatuapara: os topônimos no Livro Velho do Tombo. 2013. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura), Universidade Federal da Bahia. Orientadora: Célia Marques Telles. Salvador, 2013.


Texto completo: PDF

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo:




Outros Indexadores e Bancos de Dados:


Library of Congress

Sudoc - Système Universitaire de Documentation

Copac – United Kingdom

Bielefeld Academic Search Engine

CRUE / REBIUN - Catálogo de la Red de Bibliotecas Universitarias

 

Google Analytics UA-142181466-1

Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli está avaliada no extrato B2, no QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016, na área de LETRAS/LINGUÍSTICA.