CONTRIBUIÇÕES SEMÂNTICO-DISCURSIVAS DA CONJUNÇÃO ‘MAS’ PARA A ARGUMENTAÇÃO DE PROPAGANDAS

Allison Guimarães Andrade (UNITAU)

Resumo


O tema deste artigo compreende o estudo sobre a carga semântica da conjunção ‘mas’ no que se refere ao seu sentido básico e também aos demais usos linguísticos correntes. A fim de especificar o foco de atenção desta pesquisa, a polissemia da conectivo ‘mas’ será discutida como recurso para a construção da argumentação em propagandas. Além disso, busca-se lançar luzes à compreensão dos efeitos semântico-discursivos da conjunção ‘mas’ produzidos pelo mercado publicitário para fomentar o potencial argumentativo de propagandas. Partiu-se do pressuposto que o valor adversativo dela, embora seja o prescritivo, em muitos casos, não se manifesta em primeiro plano nos enunciados, por isso é relevante refletir sobre o caráter polissêmico dessa conjunção. Dessa forma, o objetivo deste artigo é investigar como a carga semântica básica (adversidade) do conectivo ‘mas’ e outras possibilidades de sentido manifestam-se em duas propagandas a fim de favorecer a argumentação construída na mensagem delas. Para tanto, são utilizadas como referencial bibliográfico nesta pesquisa as obras de Bechara (2015), Cunha e Cintra (2017), Neves (2000) e Castilho (2016), que apresentam as perspectivas normativa e prescritiva, respectivamente, acerca dos valores semânticos e dos usos do conectivo ‘mas’. A metodologia adotada compreende pesquisa qualitativa e bibliográfica devido ao corpus selecionado e aos pressupostos teóricos adotados. Diante disso, os resultados apontaram que o sentido de adversão da conjunção ‘mas’ apresenta-se na base de significação dos enunciados; porém, muitas vezes, ele pode ficar diluído em meio a outras possibilidades de sentido que emergem à materialidade do texto. Ainda vale salientar que, em muitos casos, para que a carga semântica básica possa ser inferida pelo leitor, faz-se necessário identificar dados pressupostos, já que, em favor da argumentação, outros valores semânticos tornam-se mais evidentes.

Palavras-chave


Formação de Professores. Ensino de Gramática. Conjunção. Gênero Propaganda.

Referências


BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 38. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/Editora Lucerna, 2015.

CASTILHO, Ataliba Teixeira de. Nova Gramática do Português Brasileiro. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2016.

CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. 46. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2005.

CUNHA, Celso Ferreira da, CINTRA, Luis Felipe Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 7. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2017.

FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakthin. 1. ed. São Paulo: Ática, 2008.

GRAÇA, Augusto. Script. Disponível em: script.net.br. Acesso em: 03 de julho de 2018.

GUIMARÃES, Eduardo. Texto e Argumentação: um estudo das conjunções do português. 1. ed. Campinas, SP: Pontes, 1987.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. A inter-ação pela linguagem. 10. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. 1. Ed. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

PAULA, Diogo de Oliveira. Blog do Professor Diogo. Disponível em: diogoprofessor.bolgspot.com. Acesso em: 03 de julho de 2018.

SANDMANN, Antônio José. A Linguagem da Propaganda. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2000.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo:



 

Outros Indexadores e Bancos de Dados:


Library of Congress

Sudoc - Système Universitaire de Documentation

Copac – United Kingdom

Bielefeld Academic Search Engine

CRUE / REBIUN - Catálogo de la Red de Bibliotecas Universitarias

 

Google Analytics UA-142181466-1

Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli está avaliada no extrato B2, no QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016, na área de LETRAS/LINGUÍSTICA.