Clube da luta: transvaloração e poetização do crime pela personagem Tyler Durden

Diane Nascimento de Oliveira, Thiago Martins Prado

Resumo


O romance Clube da luta, de Chuck Palahniuk, promove muitas discussões que põem em xeque a moral prestigiada. A partir disso, o objetivo da pesquisa é compreender a superação da moral padrão pela personagem Tyler Durden. Fundamentando esse trabalho, são utilizados os seguintes teóricos: Friedrich Nietzsche (2002 e 2013), Gilles Lipovetsky (2005), Hakim Bey (2001) e Thiago Martins Prado (2016). Em A genealogia da moral e Para além do bem e do mal, Nietzsche ressalta a necessidade de discutir a construção dos valores morais e a intenção desses valores. Lipovetsky analisa, em A sociedade pós-moralista, o modo como, na sociedade hipermoderna, há o abandono da cultura moralista em prol das ambições particulares. Bey, em TAZ: zona autônoma temporária, apresenta discussões sobre organizações de agrupamentos autônomos, alternativos às cenas da lógica do mercado. Prado, em Discussão sobre a cultura e a política econômica dos Estados Unidos em Condenada, de Chuck Palahniuk, comenta a narrativa de Palahniuk como uma crítica alegórica à política econômica contemporânea comandada pelas corporações bancárias. As conclusões apontam para a superação da moral imperativa por Tyler Durden através de um questionamento nietzschiano da moral, criação ou revisão desses valores através de uma transvaloração à maneira de Hakim Bey.

PALAVRAS-CHAVE: Clube da luta. Crítica à moral padrão. Tyler Durden.


Referências


BAKAN, Joel. A corporação: busca patológica por lucro e poder. São Paulo: Novo Conceito Editora, 2008.

BAUDRILLARD, Jean. À sombra das maiorias silenciosas: o fim do social e o surgimento das massas. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BEY, Hakim. TAZ: zona autônoma temporária. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2001.

______. Caos; terrorismo poético e outros crimes exemplares. 2007. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2016.

JUNGES, Márcia Rosane. A transvaloração dos valores, em Nietzsche, e a profanação, em Agamben. Cadernos de Ética e Política, n.28, v.1, p.97-108, 2016.

LINGIS, Alphonsos. A vontade de potência. Educação e Realidade, n.28, v.1, p.11-20, 2003.

LIPOVETSKY, Gilles. A sociedade pós-moralista: o crepúsculo do dever e a ética indolor dos novos tempos democráticos. Barueri: Manole, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. A genealogia da moral. São Paulo: Escala, 2013.

______. Crepúsculo dos ídolos. São Paulo: Escala, 2000.

______. O anticristo. São Paulo: Martin Claret, 2004.

______. Para além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. São Paulo: Martin Claret, 2002.

PALAHNIUK, Chuck. Clube da luta. São Paulo: LeYa, 2012.

______. Condenada. São Paulo: LeYa, 2013.

______. Maldita. São Paulo: LeYa, 2014.

PRADO, Thiago Martins. As narrativas sobre a crise econômica mundial e a Madlântida de Palahniuk. In: CORREIA, Heloísa Helena Siqueira; DUARTE, Osvaldo Copertino; SOUZA, Valdir Aparecido. (Org.). Isto não é um mapinguari. Porto Velho: Poiesis Editora, 2015, p. 393-398.

______. Discussão sobre a cultura e a política econômica dos Estados Unidos em Condenada, de Chuck Palahniuk. Remate de males, v. 36, p. 503-521, 2016.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: