VARIAÇÃO MORFOLÓGICA: APROXIMAÇÕES ENTRE DIALETOLOGIA E DIACRONIA

Natival Almeida Simões Neto (UFBA)

Resumo


O presente trabalho explora a variação morfológica nos estudos dialetológicos e nos estudos morfológicos em perspectiva histórica e/ou diacrônica. Observa-se o que tem sido analisado como variação morfológica na literatura, partindo-se de um exemplo dado por Bagno (2007, p. 40). Esse autor, dentro de uma perspectiva sociolinguística, tratou o par pegajoso e peguento como variação morfológica, pois se usam sufixos diferentes para expressar um mesmo significado. Com base nessa formulação, neste artigo, busca-se: (i) encontrar, em outros enquadres teóricos (a saber: linguístico-históricos, semântico-lexicais, gerativistas e cognitivistas), o que tem sido mencionado e/ou o que pode ser inferido a respeito da variação morfológica; (ii) e expandir a noção de variação morfológica para outros contextos. Assim, além da variação de sufixos, são incluídos: (a) os casos de variação de prefixos; (b) os casos dos prefixos expletivos; (c) a variação da seleção dos elementos constituintes nos compostos; (d) a variação da ordem dos elementos constituintes dos compostos; e (e) a variação semântica (polissemia) que um elemento formativo pode exibir. Esses fenômenos foram analisados com base nos trabalhos de Soledade (2005, 2013), Santos (2009), Lopes (2013), Simões Neto e Soledade (2013), Moraes (2015) Freitas (2016) e Simões Neto (2016).

PALAVRAS-CHAVE: Variação morfológica. Linguística histórica. Dialetologia. Língua portuguesa.


Referências


AGUILERA, V. A. Atlas Linguístico do Paraná. Curitiba: Imprensa Oficial do Estado, 1994.

ALMEIDA, A. A. D.; SOLEDADE, J. Sinonímia no português arcaico: quando os morfemas criam opções lexicais. In: OLIVEIRA, K.; SOUZA, H. F. C.; SOLEDADE, J. (Org.). Do português arcaico ao português brasileiro: outras histórias. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 43-62.

ALTINO, F. C. Atlas Linguístico do Paraná – II. 2007. 2 v. 223 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Centro de Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2007.

ARAGÃO, M. S. S. de.; MENEZES, C. B. Atlas Linguístico da Paraíba. Brasília: UFPB/CNPq, Coordenação Editorial, 1984. v. 1, 2.

BAGNO, M. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola, 2007.

CARDOSO, S. A. M. S. Atlas Linguístico de Sergipe II. Rio de Janeiro: S. A. M. da S. Cardoso, 2002. 2v.

CARDOSO, S. A. M. S. et al. Atlas Linguístico do Brasil. Londrina (PR): EDUEL, 2014.

CRUZ, M. L. C. Atlas Linguístico do Amazonas. 2004. 2 v. 159 f. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2004.

FERREIRA, C. et al. Atlas Linguístico de Sergipe. Salvador: UFBA – Instituto de Letras/Fundação Estadual de Cultura de Sergipe, 1987.

FREITAS, L. S. Padrões de composição de palavras em Vidas de Santos de um manuscrito Alcobacense. Relatório de pesquisa de iniciação científica. Salvador, Instituto de Letras da UFBA, 2016.

GRUPO DE MORFOLOGIA HISTÓRICA DO PORTUGUÊS. Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos. In: VIARO, M. E. (Org.). Morfologia Histórica. São Paulo: Cortez, 2014. p. 11-30.

ISQUERDO, A. N.; BENKE, V. C. M. Prostituta II (Mulher...): denominações registradas nas capitais. In: CARDOSO, S. A. M. et al. Atlas Linguístico do Brasil: Cartas linguísticas 1. v. 2. Londrina: Ed. UEL, 2014. p. 241.

LOPES, M. S. A prefixação na primeira fase do português arcaico: descrição e estudo semântico-morfolexical-etimológico do paradigma prefixal da língua portuguesa nos séculos XII, XIII e XIV. 2013. 2 v. 943 f. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Língua e Cultura). Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador. 2013.

LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (Org.). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009.

MATTOS E SILVA, R. V. Caminhos da linguística histórica: ouvir o inaudível. São Paulo: Parábola, 2008.

MOLLICA, M. C. Fundamentação teórica: conceituação e definição. In: MOLLICA, M. C.; BRAGA, M. L. Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2003. p. 9-14.

MORAES, C. M. T. de. Estudo de compostos e mecanismos de composição de palavras em documentos notariais dos séculos XII, XIII e XIV. Relatório de pesquisa de iniciação científica. Salvador, Instituto de Letras da UFBA, 2015.

OLIVEIRA, D. P. (Org.). ALMS - Atlas Linguístico de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Editora UFMS, 2007. p. 271.

PRUDÊNCIO, S. Derivação e oralidade em falantes de Salvador. 2001. 220 f. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2001.

RIBEIRO, J. et al. Esboço de um atlas linguístico de Minas Gerais. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1977.

ROCHA, L. C. A. Estruturas morfológicas do português. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

ROSSI, N.; ISENSÉE, D. M.; FERREIRA, C. Atlas prévio dos falares baianos. Rio de Janeiro: INL, 1963.

SANTOS, A. V. Compostos sintagmáticos nominais VN, NN, NA, AN e NprepN no português arcaico (sécs. XIII-XVI). 2009. 190 f. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

SIMÕES NETO, N. A. Um enfoque construcional sobre as formações X-eir-: da origem latina ao português arcaico. 2016. 2 v. 655 f. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

SIMÕES NETO, N. A.; SOLEDADE, J. Túnel morfológico: polissemia, alomorfia, sinmorfismo e doublets no português arcaico e no português brasileiro. Estudos linguísticos e literários, Salvador, n. 47, p. 105-126, jan./jun. 2013.

SOLEDADE, J. Semântica morfolexical: contribuições para a descrição do paradigma sufixal do português arcaico. 2005. 2 v. 575f. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

SOLEDADE, J. O sinmorfismo e os doublets no português arcaico. In: MATTOS E SILVA, R. V.; OLIVEIRA, K.; AMARANTE, J. Várias navegações: português arcaico, português brasileiro, cultura escrita no Brasil, outros estudos. Salvador: EDUFBA, 2013. p. 45-66.

TARALLO, F. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 1986.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: