Bía e Anánke em "Fatalidade", de Guimarães Rosa: ensaio trágico no sertão

Fabrício Lemos da Costa, Maria Elizabeth Bueno de Godoy

Resumo


Este artigo tem como objetivo refletir sobre a presença do trágico em Primeiras estórias, de João Guimarães Rosa, colocando-o como uma espécie de “aclimatação” trágica no sertão dos gerais. Para isso, abordaremos os “ecos” do drama antigo a partir do destino/ necessidade (Anánke) e violência (Bía), relacionando-os aos conflitos do sertão. A análise dar-se-á em “Fatalidade”, nono conto de Primeiras estórias.  Nesse sentido, este texto tem como parâmetro o caráter universal, em que convergem para as estórias primeiras, o qual é possível encontrar-se nos mitos e narrativas literárias antigas, convivendo pelo sertão, em um estado de simplicidade, mas ao mesmo tempo capaz de emergir da riqueza em relação à importância das “estórias” que se perfazem no lugar.


Referências


AGOSTINHO, Santo. O livre-arbítrio. 2ªed. Tradução, organização, introdução e notas Nair de Assis Oliveira. São Paulo: Paulus, 1995.

ARAÚJO, Heloisa Vilhena de. O Espelho: contribuição ao estudo de Guimarães Rosa. São Paulo: Mandarim, 1998.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução, Prefácio, Introdução, Comentários e Apêndices de Eudoro de Sousa. 4ªedição. Lisboa: Imprensa Nacional- Casa da Moeda, 1994.

_____. Retórica. Tradução de Manuel Alexandre Júnior, Paulo Farmhouse Alberto e Abel do Nascimento Pena. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

_____. Metafísica. Vols. I, II, III. Tradução do grego, introdução e comentário Giovanni Reali. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

COUTINHO, Eduardo F. Grande Sertão: Veredas. Travessias. São Paulo: Realizações Editora, 2013.

ÉSQUILO. Prometeu Agrilhoado. Tradução de Sotto Mayor. Lisboa: Edições 70, 1992.

EURÍPIDES. Medeia. Introdução, posfácio e notas de Trajano Vieira e comentário de Otto Maria Carpeaux. São Paulo: Editora 34, 2010.

GAZOLLA, Rachel. Para não ler ingenuamente uma tragédia grega. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

GOBRY, Ivan. Vocabulário grego da filosofia. Tradução de Ivone C. Benedetti. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2007.

HESÍODO. Teogonia. A Origem dos Deuses. Estudo e Tradução de Jaa Torrano. 5ª edição. São Paulo: Editora Iluminuras, 2003.

_____. Os Trabalhos e os dias. Tradução Mary de Camargo Neves Lafer. São Paulo: Iluminuras, 1990.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Haroldo de Campos e Introdução e organização de Trajano Vieira. 4ª edição. São Paulo: Arx, 2003.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26ª edição. São Paulo: Companhia das letras, 1995.

JAEGER, Werner. Paidéia. A Formação do Homem Grego. Tradução de Artur M. Parreira. 3ªed. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

LIMA, Luiz Costa. Por que literatura. Petrópolis: Vozes, 1969.

NUNES, Benedito. O mito em Grande Sertão: veredas. In: NUNES, Benedito. A Rosa o que é de Rosa: Literatura e Filosofia em Guimarães Rosa. Victor Sales Pinheiro (Org.). Rio de Janeiro: DIFEL, 2013, pp.218-232.

PLATÃO. A República. Tradução de Carlos Alberto Nunes e Prefácio e Introdução de Benedito Nunes. 3ª edição. Belém: EDUFPA, 2000.

_____. Timeu – Crítias. O Segundo Alcibíades. Hípias Menor. Tradução direta do grego Carlos Alberto Nunes. 3ª Edição revisada. Belém, PA: Editora UFPA, 2001.

_____. Protágoras. Górgias – Fedão. Tradução direta do grego Carlos Alberto Nunes. 2 ª Edição revisada. Belém, PA: Editora UFPA, 2002.

SÓFOCLES. Aias. Apresentação e Tradução de Flávio Ribeiro de Oliveira. São Paulo: Iluminuras, 2008.

ROSA, João Guimarães. Primeiras Estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

WEST, M.L. The Orphic Poems. Oxford University Press, 1983.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: