A INVERSÃO DOS PAPÉIS SOCIAIS EM O ETERNO MARIDO (1870), DE FIÓDOR DOSTOIÉVSKI

Ana Maria Soares Zukoski (UEM), André Eduardo Tardivo (UEM)

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo apresentar uma análise interpretativa acerca da inversão de papéis sociais apresentada na novela russa O eterno marido, publicada em 1870, por Fiódor Dostoiévski. Considerando o contexto do século XIX, Dostoiévski, ao apresentar a figura do “eterno marido” que consiste em um tipo de homem feito para o casamento, o autor tenciona uma inversão acerca da representação dos papéis sociais, uma vez que o contexto social da época impelia a figura feminina para as obrigatoriedades e subordinação ao casamento. Além de apresentar essa nova representação masculina, o escritor russo também promove a inversão no que tange a representação feminina, talhando um tipo de mulher que, ao contrastar aos ideais femininos, torna-se adequada a fazer par com os eternos maridos. O artigo será embasado nos pressupostos teóricos da Crítica Feminista com autores como Therborn (2006), Stearns (2012), Wollstonecraft (2016), Campos (1992), Bourdieu (2015) entre outros.

PALAVRAS-CHAVE: Opressão patriarcal. Convenções sociais. Casamento. Subversão feminina.


Referências


BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Editora Bertrand, 2015.

BURLAMAQUE, Fabiane Verardi. “No Baile Acadiano” e os reflexos da leitora Kate Chopin. In: VIEGAS-FARIA, B. et al. Kate Chopin: contos traduzidos e comentados – estudos literários e humanidades médicas. Porto Alegre: Casa Editorial Luminara, 2011. p. 171-176.

CAMPOS, Maria Consuelo Cunha. Gênero. In: JOBIM, José Luís (Org.). Palavras de crítica. Rio de Janeiro: Imago, 1992. p. 111-115.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. O eterno marido. Tradução de Marina Guaspari; introdução de Ruth Guimarães. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017.

GUIMARÃES, Ruth. Os caminhos de Dostoiévski. In: DOSTOIÉVSKI, Fiódor. O eterno marido. Tradução de Marina Guaspari; introdução de Ruth Guimarães. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017. p. 7-18.

HEDGES, Elaine Ryan. Posfácio. In: GILMAN, Charlotte Perkins. O papel de parede amarelo. Tradução de Diogo Henriques. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2016. p. 71-105.

RITT, C. F.; CAGLIARI, C. T. S.; COSTA, M. M. Violência cometida contra a mulher compreendida como violência de gênero. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE CIÊNCIA POLÍTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, 2., 2009, Porto Alegre. Anais...: América Latina em debate/ II Seminário Nacional de Ciência Política da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Nova Prova, 2009. p. 1764-1785.

STEARNS, Peter N. História das relações de gênero. Tradução de Mirna Pinsky. 2. ed. São Paulo: Editora Contexto, 2012.

THERBORN, Göran. Sexo e poder: a família no mundo 1900-2000. Tradução de Elisabete Dória Bilac. São Paulo: Editora Contexto, 2006.

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação dos direitos da mulher. Tradução de Ivania Pocinho Motta. São Paulo: Boitempo, 2016.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: