Vozes sem sonoridade: tramas do silêncio em Anacrusa, de Ricardo Daunt

Sérgio Linard, Derivaldo dos Santos, Gabriella Kelmer de Menezes Silva

Resumo


Este trabalho se ocupa de um estudo sobre a figuração do silêncio no romance Anacrusa (2004), de Ricardo Daunt.  No que se refere à problemática do silêncio, a análise tem como principais bases teóricas as proposições de Barthes (2003), Holanda (1992), Orlandi (2002) e Homem (2011); quanto à especificidade da narrativa, tem-se como aporte teórico o pensamento de Adorno (2012) sobre o narrador contemporâneo, e Candido et al (2014) sobre a personagem do romance. O estudo do texto literário de Ricardo Daunt possibilitou-nos conclusões acerca da identidade do narrador contemporâneo. Percebemos que ele não mais se comporta como um simples contador de histórias, recorrendo, dentre outros meios expressivos, ao silêncio para exercer o seu poder sobre a condução da narrativa.  Como procedimento estratégico, o narrador, em Anacrusa, retira a voz das personagens quando a fala delas pode prejudicá-lo, o que revela o silêncio como instrumento de subtração do outro. Ademais, considerando outros meios expressivos adotados na narrativa, o narrador também cria espaçamentos maiores entre um parágrafo e outro, o que apresenta um grande recorte na história das personagens, narrando somente os trechos que lhes sejam pertinentes para a visão própria que ele pretende criar diante do leitor.

 


Referências


ADORNO, Theodor W. Notas de literatura I. Tradução de Jorge M. B. de Almeida. 2 ed. São Paulo: Duas cidades; Editora 34, 2012.

BIGNOTTO, Newton. As formas do Silêncio. In: Mutações: o silêncio e a prosa do mundo. Organização de Adauto Novaes. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2014. p. 229-249.

BARTHES, Roland. O neutro. São Paulo: Martins fontes, 2003.

CANDIDO, Antonio. et al. A personagem de ficção. 13. Ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

______. Literatura e Sociedade. 13. ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2014.

DAUNT, Ricardo. O romance de Isabel. São Paulo: Novo Século, 2013.

______. Poses. São Paulo: Via Lettera, 2005.

______. Anacrusa. São Paulo: Nankin Editorial, 2004.

______. Manuário de Vidal. Rio de Janeiro: Codecri, 1981.

______. Juan. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.

DIAS, Maria Heloísa Martins. Posfácio. In: DAUNT, Ricardo. O romance de Isabel. São Paulo: Novo Século, 2013.

FALLEIROS, Marcos Falchero. A forma ouriçada do ermitão Ricardo Daunt. Disponível em: acesso em: 20 out. 2017.

HOLANDA, Lourival. Sob o signo do silêncio. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1992.

HOMEM, Maria Lúcia. No limiar do silêncio e da letra: traços da autoria em Clarice Lispector. 2011. Tese (Doutorado em Teoria Literária) - Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.

MATOS, Olgária. A escola do silêncio: acídia e contemplação. In: Mutações: o silêncio e a prosa do mundo. Organização de Adauto Novaes. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2014. p. 53-78.

ORLANDI, Eni Puccinelli. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. São Paulo: Editora da UNICAMP, 2002.

PAZ, Octavio. A tradição da ruptura. In: Os filhos do barro – do romantismo à vanguarda. Rio de Janeiro: nova fronteira, 1974. pp. 17-26

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Mutações da Literatura no século XXI. São Paulo: Cia das Letras, 2016.

ROSENFELD, Anatol. Literatura e Personagem. In: CANDIDO, Antonio. et al. A personagem de ficção. 13. Ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

______ . Reflexões sobre o romance moderno. In: Texto e Contexto I. São Paulo: Perspectiva, 1996, p.75-97.

SHAKESPEARE, William. Conto de Inverno. São Paulo: L&PM, 2009.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: