RELAÇÕES NADA AFETIVAS NA POESIA DE LEILA MICCÓLIS

Evelyn Santos Almeida (UESC), Cristiano Augusto da Silva (UESC)

Resumo


Este artigo tem por objetivo discutir criticamente alguns poemas da obra Desfamiliares: poesia completa de Leila Míccolis (1965-2012), mais especificamente, as relações afetivas como espaço violento e agressivo para as mulheres, temática que perpassa seus livros ao longo de mais de quatro décadas de produção poética. Os problemas íntimos representados no cotidiano do casamento não dizem respeito apenas a questões exclusivas de foro privado, mas que se configuram como sintoma de aspectos autoritários de nossa formação histórica, realçados com a ditadura civil-militar (1964-1985) e que se mantêm vigentes na sociedade brasileira no século XXI, dos quais a instituição matrimonial seja o maior exemplo concreto do controle sobre a mulher exercido pelo machismo no interior de relações supostamente afetivas. Muito conhecida por sua poesia política e testemunhal, a face feminista de Míccolis acerca de relações afetivas estáveis, em termos conservadores, ainda é assunto por ser estudado. Desse modo, pretendemos contribuir para a diminuição desta lacuna dentro de sua fortuna crítica.


Referências


BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: a experiencia vivida, volume 2; tradução Sérgio Milliet. 3. Ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

BRITO, A. C. F. de. Não quero prosa/ Cacaso; organização e seleção: Vilma Áreas. Campinas: Editora da UNICAMP, Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1997.

CAMARGO, Paulo. Pop, mas culto. Gazeta do povo, Curitiba, 30 de março de 2013. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/caderno-g/paulo-leminski---pop-mas-culto-bgi03iz50l1do354jr72r2azg/. Acesso em: 24/04/2019.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. 6. ed. Belo Horizonte, Editora Itatiaia Ltda, 2000.

COELHO, Frederico. Eu, brasileiro, confesso minha culpa e meu pecado: cultura marginal no Brasil das décadas de 1960 e 1970. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

GINZBURG, Jaime. Literatura, violência e melancolia. Campinas: Autores Associados, 2012.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. 26 poetas hoje. 6. ed. Rio de Janeiro: Aeroplano Editora, 2007.

LACAN, J. (1985). O Seminário 20 - mais, ainda (1972-73). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

LEVY, Lidia; GOMES, Isabel Cristina. Relações amorosas: rupturas e elaborações. Tempo Psicanalítico, Rio de Janeiro, v.43.1, p.45-57, 2011.

MATTOSO, Glauco. O que é Poesia Marginal São Paulo: Editora Brasiliense: 1981.

MÍCCOLIS, Leila. Desfamiliares: poesia completa de Leila Míccolis (1965-2012). Prefácio de Glauco Mattoso. Apresentação de Antonio Vicente Pietroforte. São Paulo: Annablume, 2013.

PEREIRA, Carlos Alberto Messeder. Retrato de Época: Poesia Marginal Anos 70. Rio de Janeiro, FUNARTE, 1981.

SANTOS, Vitor Cei. Poesia marginal: lírica e sociedade em tempos de autoritarismo. Literatura e Autoritarismo, Santa Maria, 2010, n. 16.

SILVA, Cristiano Augusto da. Brecht, Marx e as crianças. Contexto, Vitória, n.35, p.126-149, jan/abr 2019. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/contexto/article/view/23020. Acesso em 10/06/2019.

SIMON, Iumna; DANTAS, Vinicius. Poesia Ruim, Sociedade Pior. Novos Estudos. CEBRAP, v. 12, p. 48-61, 1985. Disponível em: http://www.sbpcnet.org.br/saoluis/arquivos/MC-046%20%20Poesia%20ruim,%20%20sociedade%20pior.%20pdf.pdf. Acesso em: 24/04/2019.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: