Pessoa com deficiência: modos de reescrituração em um documento oficial e em quadrinhos da revista Superinteressante

Andressa Marchesan

Resumo


Neste artigo, propomos uma reflexão sobre a reescrituração da designação “pessoa com deficiência”, a partir da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, das Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica e de três quadrinhos da série intitulada Um dia na vida de..., da Revista Superinteressante, publicada no dia 28 de setembro de 2016. Buscamos explicitar as diferentes maneiras que a designação “pessoa com deficiência” é reescriturada nos recortes estudados. É a Semântica do Acontecimento desenvolvida pelo linguista Eduardo Guimarães (2002, 2018), que dá sustentação teórico-metodológica para este trabalho. Os resultados apontam que há diferentes reescriturações relativas à designação pessoa com deficiência, como indivíduos com deficiência, diferente, portadores de deficiências múltiplas e graves, deficiente, alunos portadores de deficiências, pessoas que fugiam do padrão de “normalidade”, necessidades educacionais especiais e cada vez que são reescrituradas significam de modo diferente, pois estão relacionadas a um acontecimento enunciativo, a um enunciado, a um texto.


Referências


AMARAL, L. A. Conhecendo a deficiência: em companhia de Hércules. São Paulo: Robe Editorial, 1995.

ARANHA, M. S. F. Integração social do deficiente: análise conceitual e metodológica. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 3, nº 2, 1995, p. 63-70. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2018.

ARANHA, M. S. F. Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiência. Revista do Ministério Público do Trabalho, v. 11, n. 21, 2001. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2018.

AULETE, C. Dicionário Aulete Digital. Versão online, 2007. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2019.

FERNANDES, L. B., SCHLESENER, A., MOSQUERA, C. Breve histórico da deficiência e seus paradigmas. Revista do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia, Curitiba v. 2, p. 132-144, 2011.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas, SP: Pontes, 2002.

______. Semântica: enunciação e sentido. Campinas, SP: Pontes Editores, 2018.

HOUAISS, Antônio. Dicionário de Língua Portuguesa. Dicionário eletrônico. 2009.

MARCHESAN, A. Discurso sobre a deficiência e algumas possibilidades de sentidos. In: ANAIS DO 5º ENCONTRO DA REDE SUL LETRAS. V. 1, 2017. Anais... Caxias do Sul, RS: UCS; Porto Alegre: UniRitter, 2017, p. 107-116.

MARQUEZAN, R. O discurso sobre o sujeito deficiente produzido pela legislação brasileira. 2007. 175 f. Tese (Doutorado em Educação)-Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2007.

MAZZOTTA, M. J. S. Educação Especial no Brasil: História e políticas públicas. 5. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2005.

MENDES, E. G.; PICCOLO, G. M. Sobre formas e conteúdos: a deficiência como produção histórica. Perspectiva, Florianópolis, v. 31, n. 1, 283-315, jan./abr. 2013.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Secretaria de Educação Especial. São Paulo: MEC; SEESP, 2001. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2018.

ORLANDI, E. Terra à vista: discurso do confronto, velho e novo mundo. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: UNICAMP, 1990.

______. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

PACHECO, K. M. B.; ALVES, V. L. R. A história da deficiência, da marginalização à inclusão social: uma mudança de paradigma. Acta Fisiátrica, São Paulo, v. 14, n. 4, p. 242- 248, dez. 2007.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: