Rose Red: uma leitura discursiva da materialidade fílmica

Janaina de Jesus Santos, Leanne de Jesus Pereira Castro

Resumo


Este estudo assume os pressupostos teórico-metodológicos da Análise do discurso de origem francesa e as noções foucaultianas de enunciado, discurso e corpo, a fim de compreender como os enunciados do filme Rose Red produzem efeitos de horror e que discursos são materializados. Para tanto, descrevemos os enunciados como composição de estratégias cinematográficas no nível do plano; em seguida, identificamos os discursos emergidos na narrativa fílmica; e, por fim, analisamos como os enunciados produzem efeitos de horror marcados no corpo dos personagens e como se relacionam com a ordem do discurso. Tomamos os filmes como documentos que trazem registros de práticas sócio-econômicas do momento histórico de sua produção. Eles mostram como a sociedade projeta seus valores, seus medos etc. Como resultado, constatamos que os enunciados do filme produzem o efeito de horror pela reafirmação da ordem moral, pois, ao fazer circular o discurso pedagógico em planos cinematográficos, destacam a transgressão e a correspondente punição dos corpos indisciplinados.

 


Referências


AUMONT, J; MARIE, M. Dicionário Teórico e Crítico de Cinema. Tradução de Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: 2. ed. Papirus, 2006.

BÍBLIA, Português. A Bíblia Sagrada: Antigo e Novo Testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. Brasília: Sociedade Bíblia do Brasil, 1990.

BOURDIEU, P. Espaço físico, espaço social e espaço social apropriado. Estudos Avançados. v. 27. n. 79. 2013.

BOURDIEU, P. A casa kabyle ou o mundo às avessas. Cadernos de campo. v. 9. n. 8. 1999. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/52774. Acesso em: 12 jan. 2020.

CARROLL, N. A filosofia do horror ou paradoxos do coração. Tradução de Roberto Leal Ferreira. Campinas: Papiros, 1999.

CLUMSY. In: MICHAELIS. Dicionário Escolar Língua Inglesa. São Paulo: Melhoramentos, 2010. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/moderno-ingles/. Acesso em: 9 out. 2017.

COURTINE, J.-J. Decifrar o corpo. Pensar com Foucault. Tradução de Francisco Morás. Petrópolis: Vozes, 2013.

DERECHA/IZQUIERDA. In: CHEVALIER, J. Diccionario de los simbolos. Barcelona: Herder, 1986. p. 407-408.

ENUNCIADO. In: CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de Análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2004. p. 195-197.

ENUNCIADO. In: MORA, J. F. Dicionário de Filosofia. Tomo II. São Paulo: Loyola, 2001. p. 845-846.

FERNANDES, C, A. Análise do discurso: Reflexões introdutórias. 2. ed. São Carlos: Claraluz, 2008.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

________. A ordem do discurso. 24. ed. São Paulo: Loyola, 2014.

_______. Os anormais. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

_______. Vigiar e punir. 20. ed. Tradução de Raquel Ramalhete. Petropólis: Vozes, 1999.

GREGOLIN, M. R. Análise do discurso e mídia: reprodução de identidades. Comunicação, mídia e consumo. São Paulo vol. 4, n. 11 p. 11 - 25. nov. 2007

KING, S. Dança macabra: o terror no cinema e na literatura dissecado pelo mestre do gênero. vs online. Tradução de Louisa Ibañez. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

MÃO ESQUERDA. In: HOUAISS, A; VILLAR, M.S. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Elaborado pelo Instituto Antônio Houaiss de lexicografia e Banco de Dados da Língua Portuguesa S/A LTDA. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

MANCO. In: MICHAELIS. Dicionário Escolar de língua Italiana. São Paulo: Melhoramentos, 2003. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/escolar-italiano/creditos/. Acesso em: 9 out. 2017.

MANO. In: CHEVALIER, J. Diccionario de los simbolos. Barcelona: Herder, 1986. p. 681-682.

MILANEZ, N. Discurso e imagem em movimento: o corpo horrífico do vampiro no trailer. São Carlos: Claraluz, 2011.

______. A Possessão da subjetividade: Sujeito, corpo e imagem. In: SANTOS, João Bosco Cabral. (Org.). Sujeito e subjetividade: discursividades contemporâneas. Uberlândia: EDUFU, 2009.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso. Uma afirmação do óbvio. 3. ed. Tradução de E. Orlandi et al. Campinas: Editora Unicamp, 1997.

ROSE RED. A casa adormecida. Direção Graig R. Baxley. Roteiro de Stephen King. Canadá, 2002, DVD, (255min); colorido.

SANTOS, J. J. À meia-noite levarei a sua alma: Investigações sobre memória no cinema de horror. Fl, 1505-1517 Anais do III Encontro Nacional de Estudos da Imagem. Maio de 2011. Londrina PR. Disponível em:

http://www.uel.br/eventos/eneimagem/anais2011/trabalhos/pdf/Janaina%20de%20Jesus%20Santos.pdf Acesso em: 14 jun. 2016.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: