1984 e Lua de larvas: o reflexo da idealização utópica na distopia

Yohana Gonçalves Bonfim

Resumo


Nas narrativas distópicas 1984 (1949), de George Orwell, e Lua de Larvas (2012), de Sally Gardner, há a figuração de governos totalitários que dispõem de aparatos que objetivam a manipulação e controle da população. A vigilância, aspecto figurado em ambas as obras, assegura a aplicabilidade de tais aparatos e se configura também como um dos principais meios que inibem a população para um levante popular. Portanto, as personagens destas narrativas se encontram diante de situações elaboradas para extirpar qualquer resquício de identidade e individualidade, características semelhantes às figuradas em narrativas utópicas. Elementos que garantem a homogeneidade ideológica e comportamental são de suma importância para a manutenção tanto dos regimes distópicos figurados nas narrativas de Orwell e Gardner, quanto em sociedades concebidas como modelares. Dessa forma, a presente pesquisa tem como objetivo a análise comparativa entre as obras em questão, que tem como parâmetro o processo de homogeneização, portanto, pretendemos verificar como ocorre a figuração dos diferentes meios de controle que se destinam a esta finalidade.  A análise contemplará um estudo comparado a respeito desses aparatos, que visa a identificar assim, as aproximações e discrepâncias entre as narrativas, como também, se a obra de Gardner apresenta uma atualidade de questões figuradas na narrativa de Orwell. A pesquisa está amparada em referencial teórico acerca das relações existentes entre Literatura e utopia/distopia, sendo assim, utilizamos as considerações de Fortunati (2001), Trousson (2005), Berriel (2005), entre outros.


Referências


BENTHAM, J. O Panóptico ou a casa de inspeção. In: _____. O Panóptico. 2. ed. Trad. Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

BERRIEL, C. E. O. Editorial. Revista Morus: Utopia e Renascimento. Campinas, SP, v.2 p. 5-17. 2005.

FORTUNATI, V. Utopia as a Literary Genre. In. FORTUNATI, V; TROUSSON, R. Dictionary of Literary Utopias. Paris. Champion, 2000. Disponível em: Acesso em: Set. 2018.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: Nascimento da prisão. 27. ed. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

GARDNER, S. Lua de Larvas. Trad. Waldéa Barcellos. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

KAYSING, B. We never went to the moon. Society of Metaphysicians, 1999.

MARTINS, A. A. P. A Resistência à (Des)ordem do Mundo ou a Dimensão Ético – Política da Escrita de George Orwell. In: VIEIRA, F. et al. George Orwell: Perspectivas Contemporâneas. Porto: FLUP, 2005.

MORE, T. Utopia. Trad. Anah de Melo Franco. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004.

ORWELL, G. 1984. 36ª reimpressão. Trad. Alexandre Hubner e Heloisa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

__________. Notes on Nationalism. 8. ed. Londres: Penguin Modern, 2018.

PAVLOSKI, E. Da revolução ao totalitarismo: a herança de Nós, de Eugene Zamiatin, para as distopias do século XX. Revista Morus. Campinas, UNICAMP. 2017.

___________. 1984: A distopia do indivíduo sob controle. Ponta Grossa, UEPG. 2014.

SARGENT, L. T. What is a utopia? Revista Morus: Utopia e Renascimento. Campinas, SP, v. 2, p. 153 – 160, 2005.

TODOROV, T. Introdução à literatura fantástica. Versão brasileira a partir do espanhol: Digital Source, 1981. Disponível em: . Acesso em: Set. 2018.

TROUSSON, R. Utopia e Utopismo. Trad. Ana Cláudia Romano Ribeiro. Revista Morus: Utopia e Renascimento. Campinas, SP, v. 2, p. 123-135, 2005.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: