A VIRILIDADE DO SERTANEJO PINTADA POR ALENCAR SOB AS IMAGENS DE PERI

Sâmea Damásio da Mota Silva

Resumo


O projeto romântico alencariano criou o arquétipo heroico do índio para a construção da cultura brasileira, a qual deveria ter delimitado os indivíduos indígenas como um tema nacional. Sabe-se que tal projeto fora dividido em três obras: O Guarani, Iracema e Ubirajara. Com relação ao projeto regionalista do autor, não se pode dizer que Alencar tivesse a intenção de tratar apenas de um indivíduo nortista, o sertanejo, já que não conseguiu concluir sua obra. Entretanto, ao perceberem-se claramente aspectos semelhantes em Peri (herói de O Guarani) e Arnaldo (herói de O Sertanejo), a presente pesquisa busca discutir a criação do homem sertanejo de Alencar a partir do índio de O guarani abordando as principais características dos dois personagens de forma a “perceber” decisões e atitudes tomadas por cada um e o que cada uma dessas posturas buscaria refletir no que diz respeito à virilidade. Para tanto, serão discutidas teorias a respeito do “viril” nordestino, tomando como base Albuquerque Junior (2013) e Gilberto Freyre (2003) em contraposição à obra literária O sertanejo, de Alencar, Os sertões, de Euclides da Cunha, entre outros. Dessa forma, busca-se com o referente artigo multiplicar as faces do homem nordestino a fim de contribuir para a desconstrução de estereótipos, principalmente os ligados à masculinidade.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: