CHICO BUARQUE: BUDAPESTE, UM OLHAR SOBRE A QUESTÃO DO DUPLO

Elisabeth Probst, Isabela Baião Mol

Resumo


Este artigo propõe uma análise dos principais pontos que exprimem a duplicidade no romance Budapeste, de Chico Buarque de Holanda. São abordadas, assim, à luz de proposições, sobretudo, de Freud e Julia Kristeva: a identidade do protagonista José Costa e seu alter ego húngaro, Zsoze Kósta; a questão da autoria dos livros O Ginógrafo e Budapeste; as relações que o protagonista mantém com Vanda e Kriska, Pisti e Joaquinzinho (seu filho); entre a língua portuguesa e o húngaro, entre outras alteridades.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: