A ABSTRAÇÃO DO NARRADOR NA CONSTRUÇÃO DA MEMÓRIA E DA REPRESENTAÇÃO SOCIAL NOS ROMANCES CIDADELA, DE SAINT-EXUPÉRY E CIDADES INVISÍVEIS, DE ÍTALO CALVINO

Juliana Carolina da Silva, Luciana Brito

Resumo


Propomos, no presente estudo, observar como a abstração do narrador pode se relacionar com a memória e a representação. Tanto Cidadela (1940), de Antoine de Saint-Exupéry, quanto As Cidades Invisíveis (1975), de Italo Calvino, são tecidos com referências à cultura, a partir de subjetivações da realidade que recriam identidades, num terreno próprio das cidades modernas, construindo imagens e conceitos que impulsionam o leitor a profundas reflexões acerca do homem e da sociedade moderna. O relato de experiências se desintegra à medida que o narrador procura se manter neutro, frente às diversas ideologias disseminadas na sociedade moderna, evitando a realidade, entretanto, ao se fracionar em metáforas que recriam os múltiplos elementos do mundo social, acaba recaindo na representação do homem contemporâneo.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: