COLONIALIDADE DO PODER E IMPERIALISMO EM TEATRO, DE BERNARDO CARVALHO

Emerson Silvestre (UFPE)

Resumo


Este artigo tem como objetivo realizar uma leitura crítica do romance Teatro, de Bernardo Carvalho, com o intuito de observar como foram transpostos para a diegese esquemas da colonialidade do poder e do imperialismo. A contribuição dos Estudos Culturais mostra-se indispensável para ilustrar a leitura que aqui se intenta, pois ela problematiza a situação de subalternidade que acomete as culturas pós-coloniais. Tal pós-colonialidade, contudo, não deve ser entendida como um evento posterior a um processo de colonização, mas como um evento atual que se plasma nas diferentes formas de controle de poder que subjazem ao imperialismo e à colonialidade. Neste estudo utilizaremos como escopo teórico os estudos de Quijano (2000) e Said (2011) para abordar, respectivamente, cada um desses esquemas.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: