Os três tempos de Augusto Roa Bastos

Felipe da Silva Mendonça, Luciana Brito

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar o tempo no romance Contravida (2001), do escritor paraguaio Augusto Roa Bastos (1917-2005). Para isso, tomamos três perspectivas sobre o que é o tempo e como se dá sua passagem, tendo como base teórica Santo Agostinho (2017), Norbert Elias (1998), Whitrow (1993) e Jacques Le Goff (1990). Desse modo, temos o tempo observável e circular associado à natureza; o tempo da consciência que está sujeito à percepção do indivíduo sobre o tempo, isso é, as suas memórias; e o tempo simbólico que, por meio de símbolos sociais como os relógios e calendários, faz marcações temporais em um tempo linear no fluxo do devir. Em Contravida, por meio de um narrador personagem, Roa Bastos apresenta um homem que, após fugir da prisão, embarca em um trem de volta para o povoado que cresceu. Nesse processo de fuga, sua memória retoma tempos passados. Assim, o leitor entra em contato com diferentes tempos narrativos apresentados pela obra.

PALAVRAS-CHAVE: Tempo. Augusto Roa Bastos. Contravida. Romance.


Referências


AGOSTINHO, Santo. Confissões. São Paulo: Penguin Classics; Companhia das Letras, 2017.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução de Aurora Bernardini et al.  4. ed. São Paulo: Editora UNESP, 1988.

CARVALHO, Eugênio Rezende de. A crítica de Norbert Elias à dicotomia entre tempo físico e tempo social. Coletânea, Rio de Janeiro, v. 8, n. 25, p. 31-62, jan./jun. 2014.

CUSTÓDIO, Raquel Cardoso de Faria e. Augusto Roa Bastos: entre nambréna e ausência, uma escritura caleidoscópica. 2015. 223 f. Tese (Doutorado) - Curso de Literatura, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

DORATIOTO, Francisco. Maldita Guerra: Nova história da Guerra do Paraguai. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ELIAS, Norbert. Sobre o Tempo. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora da Unicamp, 1990.

LIMA, Luiz Octavio de. A Guerra do Paraguai. São Paulo: Planeta, 2016.

PACHECO, Glória Elizabeth Saldivar de. Augusto Roa Bastos: o fazer literário como interpelação da história paraguaia. 2006. 72 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Literatura Comparada, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

ROA BASTOS, Augusto. Contravida. Tradução de Josely Vianna Baptista. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

SILVA, Nara Letycia Martins. O tempo social de Norbert Elias: uma proposta de superação ao conhecimento dicotômico do tempo. Mneme, Caicó, v. 11, n. 27, p.162-180, 2010.

WHITROW, Gerald James. O tempo na História: concepção sobre o tempo da Pré-história aos nossos dias. Ria do Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

WATT, Ian. A ascensão do romance. São Paulo: Cia das letras, 1990.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: