PARÁFRASE DISCURSIVA E O JOGO ALUSIVO NA ESCRITA (AUTO) BIOGRÁFICA DE BARTOLOMEU CAMPOS DE QUEIRÓS

Yuri Andrei Batista (UESC), Vânia Lúcia Menezes Torga (UESC)

Resumo


O presente artigo analisa a construção do jogo alusivo através da descrição da categoria de paráfrase discursiva (ORLANDI, 2011) exemplificada nos movimentos de metáfora (condensação) e metonímia (deslocamento). Partimos da premissa que considera a heterogeneidade discursiva marca de uma subjetividade sempre falada, nunca centro do seu dizer, assim dividida. Com o intuito de tangenciar a construção de sentidos no processo enunciativo, esse trabalho discorre acerca das formas com que o discurso do um pode vir a habitar o discurso do outro e vice e versa. Centramos nossa pesquisa nos postulados de Pêcheux (1975), Authier-Revuz (1982; 1990; 2007) e Torga (2001). Nosso gesto de análise busca evidenciar a ação da paráfrase discursiva nos movimentos metonímicos e metafóricos que tecem o jogo alusivo, percebendo na obra (auto) biográfica Ler, escrever e fazer conta de cabeça, de Bartolomeu Campos de Queirós (1997), a alusão como estratégia elaboradora de inúmeras costuras de sentido.

PALAVRAS-CHAVE: Paráfrase discursiva. Alusão. Metáfora. Metonímia.

 


Referências


ARFUCH, Leonor. El espacio biográfico: dilemas de la subjetividad contemporánea. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2010.

AUTHIER-REVUZ Jacqueline. Hétérogénéité montrée et hétérogénéité consti- tutive, éléments pour une approche de l'autre dans le discours. DRLAV, Paris, n. 26, p. 91-151, 1982.

AUTHIER-REVUZ, Jacqueline. Heterogeneidade(s) enunciativa(s). Cadernos de estudos linguísticos, Campinas, n. 19, p. 25-42, jul./dez. 1990.

AUTHIER-REVUZ, Jacqueline. Nos riscos da alusão. Tradução de Ana Vaz e Doris Arruda Carneiro da Cunha. Revista Investigações, Recife, v. 20, n. 2, jul. 2007.

BRANDÃO, Helena H. N. Subjetividade, representação e sentido. In: BRANDÃO, H. H. N. Subjetividade, argumentação, polifonia: a propaganda da Petrobrás. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998. p. 33-45.

CONEIN, Bernard; COURTINE, Jean-Jacque.; GADET, Françoise; MARADIN, Jean-Marie.; PÊCHEUX, Michel. Materialidades Discursivas. Tradução de Eni Orlandi et al. Campinas: Ed Unicamp, 2016.

FREUD, Sigmund. Os chistes e sua relação com o inconsciente. Tradução sob a direção de Jayme Salomão. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Vol. VIII. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1996. 247 p.

ORLANDI, Eni. Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Campinas: Pontes, 2011.

PAIXÃO, Fernando. Poema em prosa: problemática (in)definição. Revista Brasileira, Rio de Janeiro, n. 75 (Fase VIII, Ano II), p. 151, 2013.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas. In: GADET, Françoise. HAK, Tony (Org.). Por uma análise automática do discurso. Campinas, Ed. da UNICAMP, 1990. p. 163-252.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso. Campinas, Editora da Unicamp, 1975.

QUEIRÓS, Bartolomeu Campos. Ler, escrever e fazer conta de cabeça. 2. ed. Belo Horizonte: Miguilin, 1997.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. 6. ed. São Paulo: Cultrix, 1974.

TORGA, V. L. M. O movimento de sentido da alusão: uma estratégia textual da leitura de Ler e escrever e fazer conta de cabeça de Bartolomeu Campos Queiroz. 2001. 98 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras da UFMG, Belo Horizonte, 2001.

TORGA, V. L. M. O risco do bordado de Autran Dourado – A alusão nos gêneros textuais: o romance e a tese. 2005. 228 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras da UFMG, Belo Horizonte, 2005.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: