COGNIÇÃO E ESPIRITUALIDADE: O PAPEL DA FIGURATIVIDADE EM UM TEXTO RITUALÍSTICO DE DOUTRINAÇÃO DE ESPÍRITOS SOFREDORES

Bruno Santo (UNICAMP)

Resumo


Este trabalho busca, ao unir os aportes teórico-metodológicos da Linguística Cognitiva com os da Linguística Textual e ao perceber o valor histórico dos contatos do homem com a espiritualidade, refletir sobre como os membros de uma doutrina religiosa espiritualista criada no Brasil, intitulada Vale do Amanhecer, conceptualizam e tecem cognitivo-discursivamente o texto multimodal (verbal e gestual) responsável pela libertação de espíritos sofredores no ritual de mesa evangélica por meio de metáforas como: DOUTRINA RELIGIOSA É UM PRONTO SOCORRO, JESUS É A LUZ, SER HUMANO É UM ANIMAL, DEUS É UM AUXILIADOR, AMOR É UM REMÉDIO, PERDÃO É UM REMÉDIO, CORPO É UM RECIPIENTE e ESPÍRITOS SOFREDORES SÃO SUBSTÂNCIAS IMPURAS, a fim de obter a intencionalidade discursiva almejada: a elevação espiritual de entidades que estão presas na escuridão. Tal análise, além de reconhecer o papel das práticas religiosas para o surgimento de significações linguísticas particulares (averiguando como a figuratividade, a saber: a metáfora e os esquemas imagéticos, como enquadres de constituição textual, atuam potencialmente na construção argumentativa do texto ritualístico em questão, promovendo o aparecimento dos critérios de textualização), se insere, tanto na atual fase social da Linguística Cognitiva, que pondera em suas análises sobre os sujeitos e o universo que os caracterizam como seres imergidos em suas comunidades culturais, bem como no período sociocognitivo-interacionista da Linguística Textual, que visualiza e pauta o texto em seus diagnósticos como um processo que envolve diversos fatores como os neuropsicolinguísticos e corporais em sua arquitetura.


Referências


ABBADE, Celina. Metáforas da (re)encarnação no livro segundo: Mundo Espírita ou dos Espíritos d’O livro dos Espíritos. In: ALMEIDA, A. Ariadne Domingues; SANTOS, Elisângela (Org.). Linguagens e cognição. Salvador: EDUFBA, 2016.

ALMEIDA, A. Ariadne Domingues. Históricas sobre as redes de significação do item léxico “foda” à luz do Sociocognitivismo. In: ALMEIDA, A. Ariadne Domingues; SANTOS, Elisângela (Org.). Linguagens e cognição. Salvador: EDUFBA, 2016.

AVELAR, M. O papel dos gestos de apontar na construção da dêixis multimodal: dos usos concretos aos usos abstratos. Revista LinguíStica, v. 1, n. 12, 2016, p. 161-176.

BARBOSA, Michelle de Kássia Fonseca. O Sagrado no Egito Antigo. Disponível em: < periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/dr/article/download/15376/8737 >. Acesso em: 20 abr. 2017.

BELOTTI, Karina Kosick. Mídia, Religião e História Cultural. Revista de Estudos da Religião Nº 4. São Paulo, 2004, pp. 96-115.

BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução na linguagem de hoje. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006.

DE ALMEIDA, Rodrigo. (2017). O uso de metáforas e metonímias por pacientes esquizofrênicos à luz da Teoria da Metáfora Conceptual. Ciências e Cognição. 22. 63-92.

FERRARI, Lilian. Introdução à Linguística Cognitiva. São Paulo: Contexto, 2011.

GALINKIN, Ana Lúcia. A Cura no Vale do Amanhecer. Brasília: TechnoPolitik, 2008, 152 pp.

GASPAR, Ana. (2013). Para começar a falar de Espiritismo, vamos esclarecer que o termo foi usado pela primeira vez por Allan Kardec na obra O Livro dos Espíritos. Centro Espírita Nosso Lar. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2017.

GRADY, J. E. Foundations of meaning: primary metaphors and primary scenes. Thesis (PhD. in Linguistics) University of California, Berkeley, 1997.

JOHNSON, Mark. The body in the mind: the bodily basis of meaning, imagination, and reason. Chicago: University of Chicago Press, 1987.

KÖVECSES, Zoltan. Metaphor in culture: universality and variation. Cambridge University Press, 2005.

KÖVECSES, Zoltan. Metaphor, language, and culture. D.E.L.T.A. Revista de Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada. nº especial, 2010. Metaphor and Cognition (Metáfora e Cognição). São Paulo, v26, p. 739-757.

LAKOFF, G. Women, Fire and Dangerous Things: what Categories Reveal About the Mind. Chicago: University of Chicago Press, 1987.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metáforas da vida cotidiana. Coordenação de tradução: Mara Sophia Zanotto. São Paulo: Mercado das Letras, 2002[1980].

______. Philosophy in the flesh: the embodied mind and its challenge to western thought. New York: Basic Books, 1999.

LEME, Helena. Indeterminação e metáforas no discurso religioso. Orientador: Mara Sophia Zanotto. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem). Pontífice Universidade Católica – SP, 2003.

LOPES, Braulio. (2015). Metáforas Divinas: a conceptualização metafórica de deus no discurso religioso evangélico. Anais. V CONGRESSO INTERNACIONAL DA METÁFORA NA LINGUAGEM E NO PENSAMENTO. Disponível em: Acesso em: 10/06/2017.

MARTINS, E. F. M. O percurso sociocognitivo das recategorizações metafóricas: construção de sentidos na retórica neopentecostal. Dissertação (Mestrado em Linguística). Orientadora: Profa Dra Edwiges Maria Morato. Universidade Estadual de Campinas, 2011.

OLIVEIRA, Amurabi. O espiritismo como religião brasileira. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar. São Carlos, v. 5, n. 1, jan.-jun. 2015, pp. 261-267.

KARDEC, Allan. A gênese. Trad. de Guillon Ribeiro da 5. ed. francesa. 48. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005[1868].

______. O céu e o inferno. Trad. de Manuel Justiniano Quintão. 57. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005[1865].

______. O evangelho segundo o espiritismo. Trad. de Guillon Ribeiro da 3. ed. francesa rev., corrig. e modif. pelo autor em 1866. 124. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2004[1864].

______. O livro dos espíritos. Trad. de Salvador Gentile; rev. Araras: IDE, 2009[1857]. 182 ed.

______. O livro dos médiuns. Trad. de Guillon Ribeiro da 49. ed. francesa. 76. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005[1861].

KÖVECSES, Zoltan. Metaphor in culture: universality and variation. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2005.

SANTO, Bruno de Jesus Espírito; PEREIRA, Norma Suely da Silva. A metáfora e as práticas religiosas: a conceptualização da alma em um testamento do século XVII. Mosaico. São José do Rio Preto, v. 17, n. 1, p. 361-378, 2018.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. 26. ed. São Paulo: Cultrix, 2004[1916].

SARDINHA, Tony Berber. Metáfora. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

SIMARIA fala sobre doença que a afastou dos palcos. Fantástico, São Paulo, 21 mai. 2018. Disponível em: . Acesso em: 9 ago. 2018.

SOUSA, Ada Lima Ferreira de. Metáfora: uma abordagem neurocognitiva. In: ALMEIDA, A. Ariadne Domingues; SANTOS, Elisângela (Org.). Linguagens e cognição. Salvador: EDUFBA, 2016.

STEEN, G. Finding Metaphor in Grammar and Usage. Amsterdam: John Benjamins, 2007.

VEREZA, Solange. “Metáfora é que nem...”: cognição e discurso na metáfora situada. Signo. Santa Cruz do Sul, v. 38, n. 65, 2013, p. 2-21.

WULFHORST, Ingo (org.). Espiritualismo/espiritismo: desafios para a igreja na América Latina. São Leopoldo: Sinodal, 2004.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: