A categoria tempo em Agostinho, Bakhtin e Benveniste: aproximações e afastamentos teóricos

João Augusto Reich da Silva, Patrícia da Silva Valério

Resumo


Neste artigo os pesquisadores buscam olhar para a singularidade da categoria tempo na linguagem sob o ponto de vista de três autores que abordam essa questão em seus estudos: Agostinho de Hipona (1980), Mikhail Bakhtin (2010; 2011) e Émile Benveniste (2005; 2006). Através de um recorte teórico-metodológico aplicado em suas obras, esta pesquisa, que se constitui como bibliográfica-descritiva, tem por objetivos conhecer e descrever o tratamento dado ao tempo no constructo teórico de cada autor para, por fim, analisá-los em conjunto quanto aos seus pontos de convergência e divergência, focalizando o papel do tempo na produção de sentido no discurso. Desse modo, foi possível identificar aspectos em comum entre as teorias de Agostinho e Benveniste, enquanto os estudos de Bakhtin diferenciam-se, em razão da indissociabilidade entre os conceitos de tempo e de espaço (cronotopo).


Referências


AGOSTINHO, Santo. O homem e o tempo. In:_____. Confissões; De magistro = Do mestre. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1980. p.207-231.

AMORIM, Marilia. Cronotopo e exotopia. In: BRAITH, Beth. (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2006. p.94-114.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

_____. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. 6. ed. São Paulo: Editora Hucitec, 2010.

BENVENISTE, Émile. A linguagem e a experiência humana. In:_____. Problemas de linguística geral II. 2. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2006a. p.68-80.

_____. O aparelho formal da enunciação. In:_____. Problemas de linguística geral II. 2. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2006b. p. 81-90.

_____. Da subjetividade na linguagem. In:_____. Problemas de linguística geral I. 5. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2005a. p.284-293.

_____. Vista d’olhos sobre o desenvolvimento da linguística. In:_____. Problemas de linguística geral I. 5. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2005b. p.19-33.

_____. As relações de tempo no verbo francês. In:_____. Problemas de linguística geral I. 5. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2005c. p.260-276.

FLORES, Valdir do Nascimento; TEIXEIRA, Marlene. Enunciação, dialogismo, intersubjetividade: um estudo sobre Bakhtin e Benveniste. Bakhtiniana, São Paulo, v.1, n.2, p.143-164, 2ª sem. 2009.

_____. Linguística da Enunciação: uma entrevista com Marlene Teixeira e Valdir Flores. ReVEL, v. 9, n. 16, p.406-425, 2011. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/entrevistas/revel_16_entrevista.pdf. Acesso em: 4 jun. 2018.

_____. Questões-chave da linguística da enunciação. In:_____. Introdução à linguística da enunciação. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2012. p.97-111.

PESSANHA, José Américo Motta. Vida e Obra. In: AGOSTINHO, S. Confissões; De magistro = Do mestre. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1980. p.5-24.

VALÉRIO, Patrícia da Silva. O tempo em Benveniste. In: Linguagem e tempo: a memória na perspectiva da enunciação. 2015. 194 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, São Leopoldo, 2015. p.67-80.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

QUALIS/CAPES - quadriênio 2013-2016B2 - ÁREA DE LINGUÍSTICA E LITERATURA

 

Indexadores de Base de Dados (IBDs) 
Bases de periódicos com texto completo: